Como funciona? - Calculadora de Compensação de Carbono para Viagens
Durante a realização de nossas atividades diárias, emitimos uma grande quantidade de gases, conhecidos como Gases do Efeito Estufa (GEEs), que são responsáveis por incrementar o chamado Efeito Estufa, alterando a temperatura global e causando mudanças climáticas, as quais geram diversas consequências adversas ao planeta. A principal forma de colaborar para a mitigação das mudanças climáticas é adotar atitudes para reduzir as emissões de GEEs.

Outra possibilidade é a compensação dos gases emitidos por uma atividade através do plantio de árvores, que durante seu crescimento irão absorver o gás carbônico (um dos principais GEE) e fixá-lo em suas estruturas biológicas.

Assim, o IASB desenvolveu uma metodologia para compensação de carbono através do plantio de árvores. O cálculo é bem simples:

• Basta multiplicar os fatores de emissão de cada tipo de atividade pelas atividades emissoras de gases de efeitos estufa. Ex: Se um automóvel a gasolina emite 0,11 kg CO2 por km e foi andado 200 km, basta fazer 0,11*200 = 22 kg CO2 emitidos

• As atividades emissoras para um evento são: deslocamento em veículos automotores da organização e dos participantes (só dentro da cidade do evento), resíduos sólidos gerados e esgoto, uso de gás GLP na cozinha, consumo de energia, etc.

• Os fatores de emissão utilizados são aqueles disponibilizados pelas ferramentas de cálculo do GHG Protocol Brasil (Programa Brasileiro que incentiva o inventário de carbono das empresas), do IPCC (Painel de Mudanças Climáticas do Ministério da Ciência e Tecnologia), e do WRI – World Resources Institute.

• O fator de sequestro por árvore utilizado foi escolhido a partir de revisão bibliográfica da literatura científica relativa ao assunto, considerando os biomas presentes na região da Serra da Bodoquena, Mato Grosso do Sul.

É importante citar que a metodologia de carbono do IASB não visa a precisão absoluta, mas sim a quantificação de modo estimado, pois a quantificação de emissões de carbono é um assunto novo, com metodologias ainda em desenvolvimento, altamente complexo e que possui uma componente tanto teórica, como empírica.

Existem emissões indiretas relativas às atividades que não são consideradas neste cálculo, devido à complexidade da sua avaliação (por exemplo, as emissões relativas a manufatura dos suprimentos utilizados em uma atividade, transporte de insumos básicos até o evento, etc), o que novamente a reafirma como cálculo simplificado e, portanto, sem o objetivo de precisão absoluta.

Considera-se que o objetivo verdadeiro da compensação de carbono é o plantio de uma espécie nativa para viver perenemente e, assim, prover não só com o sequestro de carbono, mas também com diversos serviços ecossistêmicos como, por exemplo, a manutenção de biodiversidade e dos ciclos biogeoquímicos. Tem-se assim a compensação como um ato simbólico, que inspira a atitude conservacionista nos seus participantes.