IASB - Instituto das Águas da Serra da Bodoquena
(67) 3255-1920
iasb@iasb.org.br
Acesso rápido
Instituto das Águas da Serra da Bodoquena
11/01/2018 - 00:00
Bichos nativos resistem em 'ilhas' de florestas em SP
Leia reportagem com pesquisadores da Unesp na Folha de S. Paulo.
Jeferson Silva / IASB

O mar de cana-de-açúcar que se apossou do interior paulista desde os anos 1970 não foi suficiente para varrer do mapa os bichos nativos do Estado, revela um levantamento feito por pesquisadores da Unesp de Rio Claro.

Somados, os fragmentos de mata atlântica que ainda existem em meio à cana abrigam pelo menos 90% dos mamíferos de médio e grande porte encontrados originalmente no Estado.

É claro que a situação está longe de ser um mar de rosas: as espécies que precisam de grandes áreas de mata fechada, como as antas e queixadas (o maior suíno selvagem do país), já são bastante raras. Mas, para os pesquisadores, o fato de que extinções propriamente ditas ainda não tenham ocorrido em solo paulista, mesmo com a magnitude da intervenção humana, sugere que é possível reconstruir a conexão entre muitos fragmentos de mata e, desse modo, aumentar as chances de sobrevivência dessas espécies a longo prazo.

A pesquisa, assinada pela ecóloga Gabrielle Beca, pelo professor Mauro Galetti e por outros colegas da Unesp, do Reino Unido e da Dinamarca, avaliou a biodiversidade de 22 áreas (cada uma delas medindo 1.250 hectares) espalhadas por grande parte do interior de São Paulo. Todas essas áreas abrigam resquícios de floresta estacional semidecidual (ou seja, que perde parcialmente suas folhas na estação seca), que é o tipo mais ameaçado de mata atlântica (por isso, as áreas de floresta da serra do Mar e do litoral, mais úmidas, não entram na análise).

MATRIZ COMPLICADA

Outro ponto em comum entre as 22 áreas é que a chamada matriz (nome dado ao ambiente gerado pelo homem que circunda os fragmentos de mata) é quase sempre formada por vastas plantações de cana.

Esse detalhe é importante por conta do que os cientistas chamam de permeabilidade da matriz para as espécies da floresta. Nem todas têm desenvoltura ou capacidade para deixar o abrigo das árvores e atravessar um canavial em busca de comida ou de um parceiro para se acasalar num fragmento de mata distante de seu lar.

Tais problemas de permeabilidade da matriz, quando somados à presença de fragmentos muito pequenos de mata, podem fazer com que determinada espécie tipicamente florestal acabe desaparecendo, sendo substituída por bichos mais versáteis ou típicos de ambiente aberto – esses costumam ter mais facilidade para atravessar plantações de cana, pastos ou outros tipos de matriz.

As áreas escolhidas para o estudo apresentam grande variedade de graus de cobertura florestal, entre apenas 3% de mata até 96% de território com floresta. Para mapear a presença dos bichos, foram usados dois métodos: oito armadilhas fotográficas por região (que clicam automaticamente os animais que passam por perto), funcionando durante um mês inteiro; e expedições de campo procurando fezes, pegadas, tocas e mesmo bichos mortos. Os dados foram coletados entre janeiro de 2014 e setembro de 2015.

DA ANTA AO JAVAPORCO

O normal seria encontrar 31 espécies de mamíferos de grande e médio porte nas matas da região estudada. Bem, os cientistas acharam 29 –mas estão incluídas nessa conta duas espécies exóticas, o cão doméstico e o javaporco (cruzamento de porco doméstico com javali, um híbrido que tem se tornando uma praga no país).

Em média, cada área tinha pelo menos 11 espécies (mínimo de sete, máximo de 18). Entre os mais comuns estavam o tatu-galinha (presente em todos os lugares), o quati e o guaxinim, enquanto a lista dos mais raros é encabeçada por bichos como o cachorro-vinagre (achado numa única área) e a queixada (em duas). Como seria de esperar, as áreas mais ricas em espécies tinham cobertura florestal mais ampla (entre 95% e 55% do total do território), e o contrário ocorria nas áreas com baixa cobertura vegetal.

No levantamento, quatro espécies importantes não foram achadas: onça-pintada, lontra, gato-maracajá e furão-pequeno. Outros estudos da mesma equipe, no entanto, indicam que esses bichos também aparecem em pelo menos alguns dos lugares estudados, apesar de já serem raros.

De maneira geral, o que os pesquisadores enxergaram não foi uma perda geral de biodiversidade, mas um processo de acomodação no qual, em vários casos, a riqueza de espécies total foi mantida graças à colonização do ambiente por espécies mais generalistas ou de ambientes mais abertos. É o caso do lobo-guará, bicho do cerrado que tem colonizado áreas fragmentadas de mata atlântica.

Para minimizar esse processo, um bom caminho seria permitir que pastagens degradadas, que pouco rendem em termos econômicos, voltassem a abrigar mata. Esse tipo de pastagem está presente em grande quantidade em todos os locais estudados pela pesquisa. "É um cenário positivo", declarou Galetti em comunicado. Bastaria cumprir a lei atual –o Código Florestal, que determina a manutenção da mata em torno de cursos d'água e topos de morro, bem como uma reserva de floresta em 20% das propriedades rurais– para que a situação dessas espécies se tornasse mais segura, diz ele.

O estudo será publicado na revista científica "Biological Conservation".

A biodiversidade resiste

Espécies paulistas são encontradas em meio à cana, mas isolamento é perigoso

A região do estudo
Foram analisadas 22 áreas do interior do Estado de São Paulo, cada uma delas medindo 1.250 hectares. Nelas, havia fragmentos florestais cercados de plantações de cana. Os trechos de mata podiam corresponder a algo entre 3% e 96% da área total

O que os pesquisadores procuravam
Indícios da presença das 31 espécies de mamíferos de médio e grande porte naturalmente nativas da mata atlântica nessa região

Como flagraram os bichos
Por meio de armadilhas fotográficas (câmeras que disparam automaticamente na presença do animal) e análises de campo buscando fezes, pelos, animais mortos etc.

Resultados
- Mesmo com a presença maciça da cana, 90% das espécies esperadas foram achadas em ao menos alguns fragmentos de mata
- Em média, havia 11 espécies por área (mínimo de 7, máximo de 18)
- Os mais comuns: tatu-galinha, quati e guaxinim
- Os mais raros: cachorro- vinagre e ouriço-cacheiro

A principal boa notícia
Apesar de todo o impacto agrícola em solo paulista, ainda não aconteceram extinções de mamíferos que afetem o Estado todo. O esforço agora deve se concentrar na criação de corredores ecológicos que conectem as populações da fauna.

Publicado originalmente em
http://www1.folha.uol.com.br/ambiente/2017/03/1865593-bichos-nativos-resistem-em-ilhas-de-florestas-rodeadas-por-canaviais-de-sp.shtml 

REINALDO JOSÉ LOPES - COLABORAÇÃO PARA A FOLHA
Gostou? Compartilhe!
últimas notícias

Loja
Seja voluntário
Calculadora
Siga-nos no Facebook
Instituto das Águas da Serra da Bodoquena - IASB
Rua 24 de Fevereiro, 1507
Centro - Bonito / MS
CEP: 79290-000
iasb@iasb.org.br
(67) 3255-1920
Redes Sociais